Noiva vintage – voilettes , headband e vestidos…

Sei que este post não agradará gregos e troianos, mas é um assunto que me encanta!
Quer seja na temática dos casamentos, ou, nos vestidos das noivas mais românticas, o passado se faz cada vez mais presente. Neste post, proporei uma pequena viagem no tempo para falar do vintage. Mais especificamente, da noiva vintage. E inicio nosso tourliteralmente voltando ao passado.É muito bacana pensar que, vivenciar toda essa experiência deste momento de transição que é o casamento, não é privilégio exclusivo das senhoritas, mocinhas do século XXI, mas é uma coisa que vêm de longe… Noiva sempre foi noiva, são sonhos, dúvidas, a idealização da vida a dois. Essas raridades (abaixo) são capas de revista dos anos 50 que ilustram bem a idéia.

Tradução dos destaques “100 solteiros dizem porque ainda não casaram”, “Face do tigre, história completa”, Mulheres divorciadas que ainda amam os ex-maridos, o que fazer?”, “Crescendo para ser rei”

Tradução dos destaques “Edição do 20º aniversário”, “Moda de casamento do outono de 1954”, “Etiqueta”, “A sua lua-de-mel”, “A sua casa nova”, “Lar feliz”.
Não é fantástico? Imagine quantas e quantas noivas há décadas experimentam os mesmos sentimentos, a ansiedade com o casamento, a casa nova. E é aí que entra o vintage… Mas o que é mesmo o vintage?
Vintage x Retro
A noiva vintage é aquela noiva mais sonhadora, delicada e romântica, muitas vezes avessa à algumas modernidades nos vestidos e nas festas.
Em linhas bem gerais, sem entrar em todos os detalhes etmológicos da palavra, podemos dizer que a palavra vintage se originou no meio dos vinhedos. Seu significado implicava em “ano que foi feito um vinho”, ou, “algo antigo e bom”. Disto, o termo foi transportado para outros âmbitos e se conceitualizou como uma forma de resgate “do melhor” das décadas de 1920, 1930, 1940, 1950 e 1960.
Entretanto, os especialistas começaram a distinguir as peças de época, encontradas em bréchos ou no armário da vovó, das produções atuais inspiradas no estilo. Assim, denomina-se vintage as antiguidades originais, testemunhas oculares de uma época, e retro as produções atuais que, fazendo uma releitura dos outros anos, criam looks contemporâneos de linhas vintage.
A releitura mais comentada foi a do vestido da Grace Kelly por Kate Middleton.

Não sou nenhuma especialista em moda, mas, na minha humilde opinião, mesmo que a possibilidade de encontrar uma peça original vintage – e em bom estado – por aí seja bem remota, não acho que dá  para colocar no mesmo saco e dizer que todas as produções neste estilo são retro, e digo isto porque nem sempre os traços atuais são tão evidentes (vide criações da loja Pó-de-Arroz). Assim, eu não denominaria algumas produções atuais de retro, mas roupas de inspiração vintage.

Headband
Os headbands (ou, no francês, bandeaux), que atingiram seu auge na moda dos anos 20, são capazes de transformar um look simples numa mega produção. Por isso, quem não abre mão de utilizá-lo, deve ter cuidado ao escolher o vestido e demais acessórios para não ficar over demais. O ensaio abaixo, por exemplo, privilegia o headband em detrimento ao vestido esvoaçante, de linhas mais retas e poucos detalhes. Mas olhe e me diga, não ficou fantástico?
Voilette e casquete
Ar de sobriedade e mistério. O clássico voilette, que data de meados dos anos 40, se origina na palavra francesa, que significa um véu menor, que cobre apenas parte do rosto. Ele pode ser arrematado com plumas, flores ou casquete, que, neste caso, trata-se de um pequeno chapéu fixado na lateral do cabelo. Um charme para casamentos cívis, mais íntimos ou durante o dia!

Luvas
“Acho chic” (Glória Kalil).
Assino embaixo!

Vestidos

Como eu já disse, atualmente, a delicadeza do passado segue com força total. Releituras com flores, rendas, romantismo e simplicidade marcam a época do resgate vintage. Tomo emprestado para ilustrar este post, uma das lojas de noiva mais vintages do Brasil, a Pó-de-Arroz. Todos os vestidos abaixo (e as luvas acima) são deles.

Muito longo o post, mas não consegui diminuir as imagens (amo todas e quis compartilhá-las). E vocês, curtem o estilo?

Depois volto para colocar os créditos.
Abraços

tags:

Vestido de noiva com toques coloridos!

São beges, dourados, coloridos ou apenas com alguns detalhes que lembram a cor favorita da noiva. Dando espaço à novas tendências e atitudes, os vestidos aqui na Europa têm deixado transparecer cada vez mais o gosto e a personalidade de cada uma.
O branco ainda domina, mas o número de noivas que estão impingindo alguma cor ou fazendo o vestido todo em outro tom é bem grande. Pra quem pensa que a onda pode deixar a noiva com cara de debutante, escaneei algumas imagens de revistas de noiva que eu tenho aqui (o mais parecido com o nosso gosto no Brasil, porque aqui tem quem se case até de vermelho, rs), a noiva fica com cara de noiva sim!

Simplesmente amei esses últimos vestidos com detalhes em rosa! E vocês meninas, o que acharam? Vocês usariam? Beijos!

Créditos:
Sete primeiras imagens:
Revista Noiva Portugal, n. 15 – Lisboa, Portugal.
Da oitava imagem ao fim:
Revista D´Avino Spose – Ciampino, Roma.

tags:

Desfile da feira de noivas em Portugal

Há alguns dias atrás fui visitar uma feira de noivas em Lisboa, onde eu moro. As feiras daqui são como as do Brasil, estandes, fornecedores, noivas sonhadoras… Como a temática da vez são os vestidos de noiva, vou deixar aqui algumas fotos que consegui tirar de um dos desfiles, que mostra a tendência dos vestidos rodados e outros com toques coloridos que eu falei neste post. :)

 

Créditos:
Desfile na feira de Noivas em Lisboa da Grigri Noivas
Fotos: Nathy Belmaia

tags:

Porque o vestido da noiva é branco?

Vocês já pararam pra se perguntar? Vendo aqui na Europa tantos vestidos de noiva em outras cores (e achando absolutamente lindos!) fiquei me perguntando porque o branco, se era mesmo só o simbolismo de da virgindade, inocência etc ou tinha mais coisa.
Hoje o branco é, sem dúvida nenhuma, é “A” cor do vestido das noivas, fato, mas nem sempre foi assim. “No início, as cores eram variadas, contanto que os vestidos fossem suntuosos, luxuosos. Até porque o casamento era visto como um arranjo comercial e o vestido da noiva servia justamente para mostrar à sociedade que as famílias tinham posses. `Os vestidos podiam ser de qualquer cor, inclusive muito se usou vermelho em épocas mais remotas, como na Idade Média (entre 476 d.C. e 1453 d.C.) e em culturas diferentes, como no Japão, Índia e China´, conta Míriam Costa Manso, professora do curso de Design”.
Alguns historiadores afirmam que os ideais de pureza e inocência virginal do branco foram agregados depois, e que na verdade a moda branca adveio do furor causado depois de algumas rainhas usarem vestidos nesse tom em seus casamentos… Ah, a realeza!
Não há um consenso de qual rainha teria disseminado a tendência. O primeiro registro do branco no matrimônio é da rainha Mary Stuart, da Escócia, que no século XVI a escolheu um vestido branco em homenagem à família de sua mãe, que tinha a cor branca no brasão.
O vestido da Maria de Médici, também causou rebuliço, na França do século XVII. Numa época em que numa cerimônia de casamento se usava vestidos escuros, e em sua maioria pretos e fechados, a rainha Maria se colocou contra todas as tradições usando uma vestimenta branca, com decote quadrado e detalhes dourados.
Talvez pela força de todo o romantismo que a envolve, a versão mais famosa da origem do vestido branco é da rainha Victoria na Inglaterra, no século XIX.  Rejeitando os outros pretendentes que lhe eram oferecidos, a rainha Victoria pede em casamento o seu verdadeiro amor, seu primo Albert. Sem usar uma coroa, o que era totalmente fora de propósito para uma rainha e usando um vestido branco, adornado por véu branco e flores no cabelo, Victoria se torna a primeira rainha conhecida que se casou por amor. Aliás, tem até um filme sobre a vida dessa rainha (trailler abaixo).
Eu acho que conhecer a um pouco história de como as coisas aconteceram é super interessante. Embora os registros associem o branco da noiva à pureza (e inocência) de meninas que se casavam muito cedo, ou à nobreza (dada pela rebeldia da rainha Maria Médice ou à força dos sentimentos da rainha Victoria), eu acho que o branco dos vestidos das noivas hoje simboliza muito mais do que isso. Ele é símbolo da felicidade, alegria, de um começo, começo de uma família e de uma nova caminhada cheia esperança, sonhos e expectativas. Que a história me perdoe, não quero negligenciar e nem tirar o peso de nada, mas pra mim, esse é o real sentido do branco do vestido das noivas…
tags:

Noivas indianas: misturando o ocidente e oriente

As noivas indianas, tradicionalmente sempre foram marcadas pelos trajes multi-coloridos e muitas jóias.
Mas, estarão elas começando a se render aos encantos das noivas ocidentais? Misturando um Saree com nossos vestidos, uma noiva poderia ficar assim:
Confesso que achei lindo. Encontrei essa foto no perfil de uma indiana no orkut. Interessante, creio que a fotografia não deva ser de indiano. Mas… Quem sabe? Agora mais livre, após os vários anos de resistência à dominação cultural inglesa, o o futuro dirá o que a India vai fazer com a globalização que está a cada dia ganhando mais espaço no seu território.

Créditos:

Fotos encontrada no Google
tags:

Preço de um vestido de noiva na Europa

Vejo pessoas por aí dizendo que pagaram 3, 4, 5, 8 até 10 mil reais no ALUGUEL de um vestido de noiva.

Casamento já tem tanto gasto, vale a pena pagar tudo isso por um aluguel? Passando hoje pela Aire Barcelona uma renomada loja aqui na Europa, pude ver que pagando esses mesmos preços, as noivas podem ter um vestido próprio…

Consegui tirar uma fotografia de um dos vestidos que estavam em exposição:


Fotos: Nathy Belmaia

Detalhe do aplique na renda:

O que mais me espantou foi que o preço não é tão alto! Esse da foto, por exemplo, é 1600 euros. No câmbio atual isso dá cerca de 3600,00 reais. Essa loja é “grife” por aqui, mas é possível achar coisa do mesmo nível por um preço menor.

Fica a dica pra quem de repente vai viajar pra fora antes do casamento, ou tem algum parente que vai. Claro, não são vestidos com tanta pedraria, mas, pra quem pensa em comprar, pode compensar bastante.

tags: