xxxxx

Nós fizemos, mas naquela época os “books de noivos”, com poucas exceções, eram  todos em estúdio. Eu me casei em novembro de 2007 na Graciosa.  Já que o casamento seria a noite, nós queríamos guardar um registro naquele lugar que se tornaria tão especial nós. Decido! As fotos do nosso book seriam lá! 
Essas são algumas fotos da sessão:
   
O advento de novos ensaios, como o trash the dress, foi dando abertura para que as fotos externas ganhassem cada vez mais terreno nos casamentos no Brasil. O termo, também “importado” aos poucos foi ganhando terreno. E-session… 
Como fora não era tão comum esse tipo de sessão (pois não usam poster etc antes) começaram a fazer propaganda que era bom pra criar intimidade com o fotógrafo, pra ele te conhecer melhor e fazer fotos espontaneas. Seria um tipo de treino para o casamento (aqui na Europa mesmo, a maior parte dos casamentos são em ambientes externos, campos, não teria porque fazer em estúdio, eles tinham mesmo que treinar fora.) Vcs podem ver isso aqui em dois casamentos que eu tirei fotos fortuitas. 
Surge o termo e-session junto com esse conceito de fotos espontâneas.Um ensaio que retrata bem isso é o da Érica, noivinha recentemente casada que participa da comunidade Noivas de Londrina. É espontâneo, confesso que quando cheguei na foto do guarfo não aguentei e ri. Traduz essa espontâneidade.
tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *